GOIABEIRA

É uma goiabeira pequena, lá no fundo do quintal.
Solitária de outras fruteiras, só de quase tudo.
Construiu sua vida, independente das vicissitudes.
Deu frutos comuns, sombra pouca, só o que lhe coube.
Está findando-se, nobre e simples.

Psidium guajava, seu nome oficial, como o de seu fruto.
Mas, para os passarinhos, o ótimo e rápido pouso,
um ruge-ruge suave, um entra-e-sai sob a luz mutante das horas.

Sua voz é (convém-me ser, em minha limitação) o que meus olhos
e os meus outros sentidos podem captar de seu silêncio arbóreo.
E bem conversamos nesses anos todos, de inverno a inverno.
Nem nos apercebemos da idade passando.

E cá estamos: outra noite em que a vejo dormir sob a lua,
uma criança que não pude ter nos braços, mas muito direto na alma.


│Poema da Série “Árvores” – Autor: Webston Moura│

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Esteja à vontade para comentar. Se possível, compartilhe o post nas redes sociais. Grato! Webston Moura