Translate

09 abril 2019

REENCONTRO


Novamente, busco no bolso o papel:
a rua está certa; o número, idem.
Devagar, aproximo-me da porta,
uma porta antiga, mas ainda forte.
Hesito. Respiro.
Três toques. Espera.
Quem abre, uma menina.
Meus olhos naqueles,
o mesmo lábio torto do lado direito,
a textura dos cabelos,
o andar,
um sinal outro semelhante.                          
─ Pois não!
Uma lágrima a seus pés,
minha,
a voz embargada.
(Será que ainda caibo nesta crescida vida?)


│Autor: Webston Moura│

AQUELE NAVIO


Teus olhos,
ondas,
o sal crestando,
vapor,
areia,
vivo calcário,
roupa leve,
um beijo.

Agora,
aquele navio
naufragado,
coberto de lodo,
guardando toda a louça que não lhe serve.




│Autor: Webston Moura│

NUM DIA DE ABRIL


Sim, sei que as águas são muitas,
reinauguram o mundo.
Na beira deste riacho,
pedras lisas por onde meus pés se vão,
vida fresca sob o mais limpo azul,
peixes prata, esverdeados e cor de estrelas.
Bem parece que o mundo é só este.
Dou na sombra de uma árvore,
afastada um pouco,
vida antiga, mãe de outras.
Escuto pássaros e assobios,
o vento é manso, mas presente.
Aqui, não nascem desdoiros.

│Autor: Webston Moura│

29 março 2019

ESTRELA


Estrela,
vi-te nos meus oito anos!
E nos dez, doze, catorze e adiante.

Estás a mesma,
alegre azul na noite escura,
brilho imorredouro no silêncio.

Eu, não! Eu passei.
E, estrada e mais estrada, continuo seguindo.

Alguém disse que somos irmãos, estrela!
Então, talvez, essas rugas áridas em meu rosto
sejam os sinais da transformação do meu ser em luz.

Aí, nos reencontraremos na sem-idade do amor,
fraternos de um sempre que só o céu concebe.


│Autor: Webston Moura│

28 março 2019

BICHO


O homem é um bicho, diz-se.
Comprova-se até; a Ciência o sabe.
Mas, deveria menos empenhar-se nisto.
Ao menos, se só seu lado inculto é ênfase.
E, talvez, o devesse mais em seu lado puro,
como o vento lambendo molhados
depois de uma tarde chuvosa.


│Autor: Webston Moura│

ARRAIAS


Não tive sorte na arte de soltar arraias.
Pouca paciência empenhada.

Mas, ainda assim, as acompanhava,
movimentos de lá e cá no azul.

Aquela liberdade, hoje, me dói.


│Autor: Webston Moura│

CONFISSÃO QUASE À TOA OU QUEIXA ACALMADA ENQUANTO TEMPO HÁ


Dei de nascer neste tempo veloz.
Nele cresci e o sofri em cada parte de mim.

Hoje, bem depois dos primeiros estalos,
observo os naufrágios em flor sob o sol.

E nada posso fazer.


│Autor: Webston Moura│