VIAJANTE VOZ

Vai minha canção vai como um navio
sete mares são pequenos
para o rumo que tu levas.
Em qualquer parte alguém te espera.
─ Manuel Alegre, Canção Primeira

Em diferentes sentimentos, vai.
Deixa o medo aos vermes.
Veste a roupa de viagem,
toma alforje, mapa, e vai.

Dirão que o poema é inofensivo,
pois os homens estão cegos.
Vai, porém. A vida urge:
há uma criança no escuro,
seu choro pede auxílio;
há homens diminuídos,
mulheres sobressaltadas.

Vai, poema, que algum olho vigilante aguarda.


│Poema da Série “Sob Inspiração de Manuel Alegre” – Autor: Webston Moura│

Comentários