LÍLIA TAVARES, in "EVOCAÇÃO DAS ÁGUAS"



Num sopro,
num esquecimento,
numa lágrima,
na incompletude...
desejava que o inverno trouxesse
a primavera aos meus dias.
Uma tarde trouxe maio no seu seio
e a promessa de entardeceres
inquietamente tranquilos.
O olhar tornou-se líquido
desembaciou a vidraça empoeirada
das manhãs.
Ainda que me faltem glicínias em agosto,
uma onda no limiar da praia,
um remo no meu barco,
uma vela no meu moinho,
uma fonte de cristal quando estou sedenta,
um metro no meu caminho,
os dedos das minhas mãos,
um corpo nu numa noite em que ardo,
agasalho quente no meu ninho,
uma palavra para findar o meu poema,
uma canção para embalar a saudade,
um traço no teu retrato a carvão.
Ainda assim,
mesmo no quarto vazio da solidão,
embrulhada no colo da tua memória presente,
contigo, meu amor, nada me falta...


.....................................
# Poema constante de "EVOCAÇÃO DAS ÁGUAS" (Seda Publ., 2015)
# Contatos com autora podem ser feitos através de seu perfil no Facebook [https://www.facebook.com/lilia.tavares.3] ou na página Quem Lê Sophia de Mello Breyner Andresen [https://www.facebook.com/QLSMBA]
__________________________

Comentários

OS 10 POSTS MAIS VISITADOS DOS ÚLTIMOS 30 DIAS

RUÍNAS

ÚLTIMO GRITO CONTRA A ESCURIDÃO

ÁVIDA FLAMA INCESSANTE

VIAJANDO NA MADRUGADA

CATILINA

SERTÃO

CONSUMAÇÃO

O PIANO