As traças de Fortaleza


Que são traças? Segundo os dicionários, são insetos que corroem lã, tapetes, livros, papéis, dentre outras coisas. É óbvio que destas queremos distância. Jamais desejaríamos sua proliferação, não é verdade? Principalmente nós que conseguimos reunir algumas dúzias, ou até mesmo dezenas de livros – e deles cuidamos com extremado zelo – fugimos dessas como o demo da cruz.

Mas, existem outras traças... Na bela capital cearense, um Clube de Leitura possui o sugestivo nome de “As Traças”. Não contrataram marqueteiro, mas acertaram na mosca, pois para batizar uma reunião de devoradoras de livros, nada mais apropriado do que o nome sugerido. Como funciona? É simples: em encontros mensais, elas comentam suas leituras e trocam impressões com os demais membros do grupo. Que beleza, hein?

Tudo começou há dez anos, com a brilhante idéia das amigas Anete Gomes e Lúcia Lustosa Martins que, levadas pelo desejo desta última em partilhar sua biblioteca particular, resolveram promover reuniões com outras tantas amigas, de maneira que pudessem, juntas, viajar, sonhar, viver e crescer através da leitura. E vejam que belo resultado!

Atualmente, o Clube é constituído de quarenta sócias que se reúnem numa determinada segunda-feira do mês. A confraria está dividida em equipes que receberam os nomes de escritores/poetas famosos. Mensalmente, um desses grupos é responsável pela reunião, promovendo a apresentação de temas ligados, preferencialmente, à literatura, através de palestrantes convidados ou de exposição feita pelo próprio grupo.

Após as reuniões, é servido um pequeno lanche e, em clima de descontração, as “traças” se confraternizam. Elas também compartilham datas significativas, como os festejos juninos e as festas natalinas, contando com a presença de familiares e amigos pertencentes a outros movimentos literários.

O Clube dispõe de uma biblioteca instalada em sua sede, que conta com considerável acervo. São livros doados, em sua grande maioria, pela sócia fundadora Lúcia Lustosa e, também, por doações de outras sócias e de amigos ou, ainda, adquiridos pelo próprio Clube. Afinal de contas, para sobreviver, traças precisam sempre de livros por perto.

Não se faz necessário que sejam escritoras para admissão como sócias. Todavia, como todas são boas leitoras e, pelo fato de gostarem de ler, isso logo suscita, inexoravelmente, o prazer da escrita. Dessa forma, não é de difícil dedução que, vamos encontrar entre elas, poetas e prosadoras, cujos títulos já desfilam pelas melhores estantes do Ceará e alhures. Podemos citar, como exemplo, o poético livro intitulado Meus Amores, de autoria de Lúcia Maria do Monte Frota de Moura – mossoroense radicada em Fortaleza – e o Poltrona Azul, de Dulce Cavalcante, recentemente lançado.

Quando soube da existência das “traças”, e de sua movimentação, fiquei pensando como seria bom se cada um de nós tivesse a oportunidade de participar de um “grupo de leitura”, ou de algo similar. E melhor seria que essas iniciativas proliferassem pelas cidades com a mesma força e pujança de tantas idéias maléficas e de tantos grupos iníquos que, infelizmente, surgem. Certamente se isso ocorresse, alavancaríamos a literatura para alturas inesperadas... Talvez ainda exista um ou outro questionamento, principalmente em relação ao tempo pessoal, para participar de uma atividade assim. Mas, recordo-me de um ensinamento religioso: tempo é questão de preferência.

Vivam as Traças!!! E que se multiplique a sua benfazeja faina devoradora!!!



________________________
David de Medeiros Leite (Mossoró-RN, 1966) é doutor em Direito Administrativo pela Universidade de Salamanca (Espanha), membro do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte (IHGRN), do Instituto Cultural do Oeste Potiguar (ICOP), da Academia Maçõnica de Letras do Rio Grande do Norte (AMLERN) e da Academia Mossoroense de Letras (AMOL). Dentre outros, é autor de: Companheiro Góis – Dez Anos de Saudade (2001); Ombudsman Mossoroense (2003); Incerto Caminhar (2009); Cartas de Salamanca (2011) e A Casa das Lâmpadas . A presente crônica foi extraída de Cartas de Salamanca.

__________________

Comentários

OS 10 POSTS MAIS VISITADOS DOS ÚLTIMOS 30 DIAS

RUÍNAS

ÚLTIMO GRITO CONTRA A ESCURIDÃO

ÁVIDA FLAMA INCESSANTE

VIAJANDO NA MADRUGADA

CATILINA

SERTÃO

CONSUMAÇÃO

O PIANO