Postagens

Mostrando postagens de Março, 2017

PALAVRA

Não tenho outras palavras, exceto estas,  gastas, que trago no costume. Sei, entretanto, poder renová-las desde seu cerne, como dizer calçada e ver o caminhar dos transeuntes, os sentimentos todos atravessando as horas.
Palavra é meio, transito, panela onde se coze, cadeira onde se senta, até a interjeição no cartaz que pede Silêncio! na emergência de um hospital, lugar onde as palavras doem, ainda que envolvidas em penicilina, gaze e procedimentos singulares.
A palavra jardim não dá flores, diz-me o passante (ironizando uma minha possível inocência). Ao que direi ver dela despencarem cheiros e lembranças, rostos e possibilidades, flores que a imaginação fabrica.

│Poema da Série “Palavra” – Autor: Webston Moura│

PALAVRAS SECAS

Havia sonhado um poema. Iria construí-lo água jorrando. Perdeu-se debaixo de uma pá carregadeira, entre as notícias nervosas do jornal primeiro e o vozerio dosgentios ante o incerto.
Aqui, momento bem depois, cá estou a deslizar o lápis no branco da angústia, catando palavras que digam andiroba e catuaba, palavras que possam domar touros e ventanias.
E tudo o que me toma é ausência e sono. Como são fortes as palavras secas.

│Poema da Série “Palavra” – Autor: Webston Moura│

LI POESIA

Pão é uma palavra cheia. Amor, idem, ainda que em falso. Agora, pressa que acossa a ênfase imperativa.
Deseja-se paz, mas a lavoura é de cupins. Aqui e acolá, tua boca pela minha, pronúncia grávida de desnexos. Dai-me, Pollok, uma linha para ler tuas tintas! Concede-me, Pessoa, a honra desta dança contra                                                                          as coisas                                                                            que nos                                                                           caem do coração!
Abre-te, Sésamo, que acabo de cometer ócio explícito na engenharia ardente das tarefas inoperantes do cotidiano:
li poesia & desejei ser.

│Poema da Série “Palavra” – Autor: Webston Moura│

COISA SUSSURRANTE

Morasse próximo ao mar, perder-me-ia muitas vezes a olhá-lo. Para mim, o mar é ócio, demora imensa junto ao vento.
Talvez, esta seja uma das senhas para o amor: deixá-lo ser a coisa sussurrante que nos toma o corpo, uma miríade de finas mãos costurando conchas.

│Poema da Série “Mar” – Autor: Webston Moura│

ENQUANTO TE OUÇO NAS MARÉS

Teus olhos azuis, espelhos d’água sereníssimos. Tua pele dourada, memórias de sal a sol.
És o sargaço furioso e eterno renascido sempre. És a sombra de navios que não existem mais, exceto suas carcaças, hoje moradas de líquens e de senhorinhas que se afogaram em tardes esquecidas.
Por isso, estás aí nos meus sonhos e cantas a monotonia agradável das marés enquanto adormeço gaivotas em meu corpo.

│Poema da Série “Mar” – Autor: Webston Moura│

TUA PRESENÇA

Morasse próximo ao mar, ver-te-ia, mesmo que não pudesse.
Não é desejo de alucinação; apenas invenção do ócio em mim engastado, prática de quem aprendeu o mar e nunca mais o deixou.
Carrego este búzio ao ouvido, som primordial que engravida belezas.

│Poema da Série “Mar” – Autor: Webston Moura│

UM CÃO DENTRO DE UM QUARTO

Este homem é um cão dentro de um quarto. Só de solidão insuportável, grita e definha. Não está só de outros, que há muitos em redor. Está só de não encontrar mão e chão adiante.
Há um gesto de defenestração nos corações. Há um terror normalizado nas convivências. Há uma falta, muitas faltas, todas as faltas. Há uma vontade de fugir de todos os olhos.
Este cão, que é o homem, não mais sabe a flor, a suavidade das auroras, a música do vento nas cortinas. Sabe, a bem do mal que lhe corrói, receber notícias. E não faz ideia do destino a dar a tão más companhias.
Em círculos, sofre pensamentos, reverbera-se doentiamente.

│Poema da Série “Em Torno de Um Cão” – Autor: Webston Moura│

COM SEU INOFENSIVO OLHAR

Agora, se muito, olha esta janela, vê a paisagem, mas não pode dar coisa alguma ao mundo.
Este cão, homem natural, recebe a luz, sabe seu ouro, conhece a vida, mas não pode reestruturar nenhum destino. Está resumido a não ter força e a olhar um jardim saturado de lágrimas.
Seu olhar era completo, mas inofensivo diante da luz.

│Poema da Série “Em Torno de Um Cão” – Autor: Webston Moura│

UM VULTO AO VENTO

Ninguém lhe sabe a moradia, sequer se há. Sabem-lhe um apelido e o olhar silencioso.
Ele sempre atravessa a rua, talvez todas, como se esse fosse o destino único, andejar.
É o cão sem dono, andrajo, sem eira nem beira. E não é feliz, deduz-se da falta de vida que carrega.
Não penetra o coração de ninguém, mas talvez não seja sua culpa. É que foi feito para isso, dizem.
Há destes homens, lápis que não riscam; homens sem assinatura de existência.
Quem vem lá? Um vulto ao vento.

│Poema da Série “Em Torno de Um Cão” – Autor: Webston Moura│

É UMA PESSOA

Na condução fria dos ofícios, a estatística assentada aos documentos.
A perícia estuda, a polícia investiga, a justiça fecha a conta, a imprensa repassa, o cidadão não sente.
Mas, não! Não é um número. É uma pessoa. Sim, é uma pessoa! Por dentro da imagem dependurada à corda, uma mulher, 36 anos, dois filhos, um barraco, tudo o que a estatística não captura na condução fria de seu ofício.
O silêncio de uma pessoa, quem o escuta?

│Poema da Série “Suicídio” – Autor: Webston Moura│

O ANJO

Atrás daquele sorriso, quem diria o agudo e oculto siso? Quem conceberia a noite profunda naqueles olhos? Onde se escondia a insídia, se cada gesto era pássaro?
Bem por isso, por não se imaginar jamais a queda ali instalada, acharam de ver um anjo estendido no banheiro. Dezesseis anos, pulsos cortados, um menino.
Onde não nos vemos, quem nos habita?

│Poema da Série “Suicídio” – Autor: Webston Moura│

UM HOMEM PACATO

O apartamento em pânico. Como depois de uma batalha, a terra pisoteada por mil cavalos, móveis e miudezas espalhados. Cinzas e guimbas de cigarro, garrafas vazias aqui e ali, os rastros de um homem, sua história espatifada.
A janela, o vento entrando, o vidro recém-quebrado, o corpo amassado, lá embaixo, gente em redor, uma viatura aproximando-se.
O porteiro, simples homem comovido, repete a pergunta:  mas por que?!
Nos destroços deixados, onde a senha mais certa para saber-se a dor?

│Poema da Série “Suicídio” – Autor: Webston Moura│

UM DOMINGO CINZA

Não há muito que se ver, a mobília é enxuta. Um vaso, flores, tudo arrumado e simples. Uma Bíblia na cabeceira, um crucifixo na parede. Entra-se, com calma; com calma, sai-se. Há uma despedida em cada visita. Cada objeto já se pronuncia ausência.
Aqui não mais jaz uma vida à espera de mais vida: quarto de um avô, doença adentro, contagem regressiva.
Em seus últimos suspiros, um domingo cinza.

│Poema da Série “O Quarto” – Autor: Webston Moura│

UM DISTINTO SENHOR

Um ladrilho dos anos quarenta. Quero pisar isto, faz-me bem. De resto, nem muito moderno, exceto por traquitanas tecnológicas de hoje. Uma ampla janela de vidro dá para a rua. Fica ali, lê e escreve, não vê TV.      No escuro, gosta de olhar pela janela. Espera, sem força, uma surpresa. Que nada! Nunca acontece nada demais na rua. O bairro é bom, a vizinhança é normal. Aqui é o terceiro andar de um prédio meio antigo.
Da janela, gosta de pensar ser Raymond Reddington, mas falta-lhe o charme e a folha corrida. Nem por isso é menos bandido com a vizinha, uma advogada recém-solteira, sem filhos, bastante alegre.
O que se chama, com asco, de vida normal, pode ser apenas ordem e paz, e basta.

│Poema da Série “O Quarto” – Autor: Webston Moura│

AQUELE PÔSTER DA MARLENE DIETRICH

Este, sem janelas, apartado da casa, no fim do quintal, pequeno, três por dois. Para os dias de lua, dirá seu solitário morador. Coloca uma cadeira fora, protege-se do sereno, escuta música e, de longe, alguma voz vizinha. É um lugar de guardar, o quarto, este, modesto e bom. E ninguém, assim na pressa, saberá do que nele se sonha.
Aquele pôster da Marlene Dietrich é por ela, claro, mas é também por alguém de menos notoriedade e não menos beleza; um dia no passado, o tempo voa.
A lua está cheia, a madrugada vem. Hoje, porém, só a porta aberta, o azul entrando, névoa, ninho.
Pouca gente sabe de apenas estar. Estar presente na própria vida.

│Poema da Série “O Quarto” – Autor: Webston Moura│

TEMPO DE VIVER

Sabemos: o tempo é curto; a vida, de grão em grão, crescendo, esgota-se.
Então por que esta pedra na língua?
Os homens agridem-se, disputam o que a traça há de comer. Com os anos, vergados, olharão seus relógios, e, exaustos, já não poderão mais sonhar, tampouco ferir o telhado vizinho.
Mas o tempo não está no relógio, este cão portátil de contagem fria. O tempo está na escolha, tempo de viver.
Olha aquela lamparina próxima à janela. É cada um recitando seu próprio destino.
Então por que esta pedra na língua, se o tempo de viver é o tempo de amar?

│Poema da Série “Tempo e Vida” – Autor: Webston Moura│

A PEDRA

O corpo passou; a pedra, não. E como pode este homem ainda a levar?
É que a pedra é sua reza inarredável, sua insubmissa amante, a que lhe come a carne.
A casa mudou, enrugou-se; a oiticica, defronte, deita seus velhos galhos; o silêncio ocupa as imagens rotas nos retratos; e este homem, velho, ainda a carregar a pedra, uma amada irresolução, uma porta bem aferrolhada.
É seu coração, que de todo não é só pedra, mas que da pedra, esta que fere, muito vive, sofre, teima, ilude-se e, por fim, há de morrer.

│Poema da Série “Tempo e Vida” – Autor: Webston Moura│

A CADEIRA VAZIA

Uma foto, adocicada dor, saudade.
Em seus olhos, as estradas poeirentas, aqueles dias de caravanas e distâncias. Depois, os mares de todos os nomes, cada porto e suas gentes, idiomas frescos, cidades a passear, segredos a descobrir.
Sim, fomos felizes. Mas como é duro ver esta cadeira vazia nesta casa tão docemente arrumada!

│Poema da Série “Tempo e Vida” – Autor: Webston Moura│

GOIABEIRA

É uma goiabeira pequena, lá no fundo do quintal. Solitária de outras fruteiras, só de quase tudo. Construiu sua vida, independente das vicissitudes. Deu frutos comuns, sombra pouca, só o que lhe coube. Está findando-se, nobre e simples.
Psidium guajava, seu nome oficial, como o de seu fruto. Mas, para os passarinhos, o ótimo e rápido pouso, um ruge-ruge suave, um entra-e-sai sob a luz mutante das horas.
Sua voz é (convém-me ser, em minha limitação) o que meus olhos e os meus outros sentidos podem captar de seu silêncio arbóreo. E bem conversamos nesses anos todos, de inverno a inverno. Nem nos apercebemos da idade passando.
E cá estamos: outra noite em que a vejo dormir sob a lua, uma criança que não pude ter nos braços, mas muito direto na alma.

│Poema da Série “Árvores” – Autor: Webston Moura│

FLAMBOYANT

As casas com sobra de terreno à frente, a fazer as vezes de jardim, embora não, tinham nichos de natureza. Alegre e forte, algum pé de flamboiã, com o vermelho ao alto, fulgindo.
Veio de Madagascar nalgum remoto dia, de modo direto ou por viés de desviado contrabando. Árvore acentuada de paz, especialmente assim. Ou, se me cabe, digo deste modo como sinto, árvore da infância, dentre outras tantas, perpétua ternura da genuína meninice.
Nunca lhe direi “Delonix regia”, nome sisudo que é. Encontrando-a por aí, numa rua ou noutro lugar, apenas lhe serei amigo, sem precisar dizer palavra. E nos entenderemos nesta linguagem particular.

│Poema da Série “Árvores” – Autor: Webston Moura│

MAMOEIRO

Todas as casas tinham mamoeiros, assim procede dizer. E hoje não mais os vejo; não há mais quintais. Frágil, um tronco que se abate fácil a golpes quaisquer. De seus galhos, uma flauta que um dia vi meu avô engenhar. Suas folhas caindo, de quando em quando, secando-se tal papel. E sua virilidade resistente ao vento.
Não se pode, por frutos dispostos em supermercados, saber da árvore em si, que esta relação liga-se ao todo. Há que se colocar em marcha para algum refúgio, onde uma senhora de ervas e fogão a lenha, mãe a avó de uns tantos, tenha se dado a plantá-la. Avistar-se-á, é bem certo, algum pássaro colhendo o mel, a polpa que se pode ao fruto de entranhas amarelas e sementes negras, elegantes capsulas.

│Poema da Série “Árvores” – Autor: Webston Moura│

A CARTEIRA

Identidade, CPF, Reservista, 40 anos e uma barba. Quem sabe, com um irmão sumido num garimpo da Amazônia. Mais certo: três ou mais filhos; esposa; um cão vira-latas. Morador de um conjunto habitacional, imagina-se.
É pouco mais do meio-dia, a condução se aproxima.
Entre o desejo e a efetiva devolução do objeto, considera-se carregar no bolso, com o peso de especial responsabilidade, a condensada história de um homem. Como pesa uma vida, mesmo que numa carteira velha e surrada!

│Poema da Série “Objetos Perdidos” - Autor: Webston Moura│

PULSEIRA E ESCAPULÁRIO

Lílian: nome interno à pulseira. Enrolado nela um escapulário. Levou a bolsa; o ônibus é rápido. Não havia ninguém neste ponto. E tudo isso é um acaso.

A pressa produz infortúnios desses às moças de pulseiras e escapulários, moças que pegam ônibus e não sabem da maquinaria dos acasos.

Com isto às mãos, é como desbravar um mistério. Advinha-lo, seria mais certo dizer. De posse disso, sou o personagem de um romance policial, aquele que vai descobrir Lílian e salvá-la das mãos dos facínoras. Sua pulseira e seu escapulário são, na verdade,
disfarces de algo maior. (Minha intuição nunca falha).

Mas, a bem da verdade, lembro-me de que tudo é apenas um acaso e que eu mesmo, como Lílian e seus objetos, sou mais uma coisa perdida na cidade, esta fábrica incessante de possibilidades, inclusive acasos muito bem orquestrados em pontos de ônibus.


│Poema da Série “Objetos Perdidos” - Autor: Webston Moura│

O GUARDA-CHUVA

A senhorinha procura, anda de um lado para o outro, coça a cabeça, para, recomeça, vai de uma ponta a outra da galeria.
O toque em meu ombro me chama. Avisam-me de que ela é doida e que busca um guarda-chuva. Faz isso sempre até lhe darem um. Objeto barato, de uso geral, quem se importa em dar?
A senhorinha recebe, sorri e diz “Meus filhos”. Tem um tom nostálgico. Fora abandonada pelos filhos? É o que parece.
Encontrar um guarda-chuva, para reencontrar algum caminho de volta ao dia em que fora deixada nalguma rua, quem sabe até num abrigo de nome que não sabemos, coisa por aí, como se diz, de onde ela, supõe-se, fugiu                                                                        (ou perdeu-se)

│Poema da Série “Objetos Perdidos” - Autor: Webston Moura│