A SURPRESA DA MANHÃ

Uma canção onde cantemos
transitórios eternos morrendo passando
ficando ainda nos demorados violinos da canção tão breve.
─ Manuel Alegre, Canção Primeira


As cores estalam na manhã orvalhada.
Aos homens, tigres ou asas, o destino escolhido.
Inauguram o trabalho, o sofrimento, a esperança.

E isto já é muito pleno.


│Poema da Série “Sob Inspiração de Manuel Alegre” – Autor: Webston Moura│


Comentários