UM DOMINGO CINZA

Não há muito que se ver, a mobília é enxuta.
Um vaso, flores, tudo arrumado e simples.
Uma Bíblia na cabeceira, um crucifixo na parede.
Entra-se, com calma; com calma, sai-se.
Há uma despedida em cada visita.
Cada objeto já se pronuncia ausência.

Aqui não mais jaz uma vida à espera de mais vida:
quarto de um avô, doença adentro, contagem regressiva.

Em seus últimos suspiros,
um domingo cinza.


│Poema da Série “O Quarto” – Autor: Webston Moura│

Comentários

OS 10 POSTS MAIS VISITADOS DOS ÚLTIMOS 30 DIAS

ÁGUAS SOB O SOL

MUTIRÃO #3

MÚSICA PARA FUGIR DO CAOS

O VENTO SOBRE AS ÁGUAS

RECESSO

POEMAS DE LEONAM CUNHA

TEUS NOMES

CAVALO

ESCREVIVÊNCIAS: LIVRO DE VIDAS IMAGINOGRAFADAS

ESTRANHOS