TEMPO DE VIVER

Sabemos: o tempo é curto;
a vida, de grão em grão,
crescendo, esgota-se.

Então por que esta pedra na língua?

Os homens agridem-se,
disputam o que a traça há de comer.
Com os anos, vergados, olharão seus relógios,
e, exaustos, já não poderão mais sonhar,
tampouco ferir o telhado vizinho.

Mas o tempo não está no relógio,
este cão portátil de contagem fria.
O tempo está na escolha, tempo de viver.

Olha aquela lamparina próxima à janela.
É cada um recitando seu próprio destino.

Então por que esta pedra na língua,
se o tempo de viver é o tempo de amar?


│Poema da Série “Tempo e Vida” – Autor: Webston Moura│

Comentários

Postar um comentário