MAMOEIRO

Todas as casas tinham mamoeiros, assim procede dizer.
E hoje não mais os vejo; não há mais quintais.
Frágil, um tronco que se abate fácil a golpes quaisquer.
De seus galhos, uma flauta que um dia vi meu avô engenhar.
Suas folhas caindo, de quando em quando, secando-se tal papel.
E sua virilidade resistente ao vento.

Não se pode, por frutos dispostos em supermercados,
saber da árvore em si, que esta relação liga-se ao todo.
Há que se colocar em marcha para algum refúgio,
onde uma senhora de ervas e fogão a lenha,
mãe a avó de uns tantos, tenha se dado a plantá-la.
Avistar-se-á, é bem certo, algum pássaro colhendo o mel,
a polpa que se pode ao fruto de entranhas amarelas
e sementes negras, elegantes capsulas.


│Poema da Série “Árvores” – Autor: Webston Moura│

Comentários

OS 10 POSTS MAIS VISITADOS DOS ÚLTIMOS 30 DIAS

ÁGUAS SOB O SOL

MUTIRÃO #3

MÚSICA PARA FUGIR DO CAOS

O VENTO SOBRE AS ÁGUAS

RECESSO

POEMAS DE LEONAM CUNHA

TEUS NOMES

CAVALO

ESCREVIVÊNCIAS: LIVRO DE VIDAS IMAGINOGRAFADAS

ESTRANHOS