FLAMBOYANT

As casas com sobra de terreno à frente,
a fazer as vezes de jardim, embora não,
tinham nichos de natureza.
Alegre e forte, algum pé de flamboiã,
com o vermelho ao alto, fulgindo.

Veio de Madagascar nalgum remoto dia,
de modo direto ou por viés de desviado contrabando.
Árvore acentuada de paz, especialmente assim.
Ou, se me cabe, digo deste modo como sinto,
árvore da infância, dentre outras tantas,
perpétua ternura da genuína meninice.

Nunca lhe direi “Delonix regia”, nome sisudo que é.
Encontrando-a por aí, numa rua ou noutro lugar,
apenas lhe serei amigo, sem precisar dizer palavra.
E nos entenderemos nesta linguagem particular.


│Poema da Série “Árvores” – Autor: Webston Moura│

Comentários

OS 10 POSTS MAIS VISITADOS DOS ÚLTIMOS 30 DIAS

ÁGUAS SOB O SOL

MUTIRÃO #3

MÚSICA PARA FUGIR DO CAOS

O VENTO SOBRE AS ÁGUAS

RECESSO

POEMAS DE LEONAM CUNHA

TEUS NOMES

CAVALO

ESCREVIVÊNCIAS: LIVRO DE VIDAS IMAGINOGRAFADAS

ESTRANHOS