COM SEU INOFENSIVO OLHAR

Agora, se muito, olha esta janela, vê a paisagem,
mas não pode dar coisa alguma ao mundo.

Este cão, homem natural,
recebe a luz, sabe seu ouro, conhece a vida,
mas não pode reestruturar nenhum destino.
Está resumido a não ter força
e a olhar um jardim saturado de lágrimas.

Seu olhar era completo,
mas inofensivo diante da luz.


│Poema da Série “Em Torno de Um Cão” – Autor: Webston Moura│

Comentários