COM UM EQUINÓCIO NA BOCA

Tudo que se passa aqui
Não passa de um naufrágio



Frágil, a transparência do vidro.
Meu olhar se repleta de sua queda,
uma jarra posta sobre uma toalha branca
numa mesa escura de madeira antiga.
Ao fundo, uma janela também de vidro
que permite imaginadas e frágeis garças.
A jarra cai e se despedaça no chão.
Depois, o silêncio perpassado de luz,
os cacos aquietados e disformes,
a lembrança da harmonia anterior.

A vida, que assim se parece
(a vertigem antes das quedas),
amo-a como às flores fortes e rúpteis.
Dou-me a estes entalhes de palavras discretas,
as quais se possibilitam no mundo onde vivo,
para que não me possa desaparecer o gosto
de saber-me aqui, este aqui passageiro,
única terra onde vim ser bárbaro
e, simultaneamente, terno.

Escuto, em anil, uma voz de mulher:
       “Gosto muito da palavra equinócio,
         pois me lembra de coisas que não diviso
         senão com os olhos fechados.”



___________
NOTA:
1. A epígrafe são versos da música "Água" de Djavan, que se encontra neste disco: [link: https://youtu.be/]

.....................................................

│Autor: Webston Moura
_______________________

Comentários