A espera

Até a esperança
a gente espera.

Espera-se o sol,
espera-se a lua,
as estrelas,
a rosa se abrir.
a raiva sumir,
o ônibus passar
e o povo subir.

É muita espera.
Tem o médico,
o exame,
o horário do programa,
o telefone tocar,
o frio passar
e o amor chegar.

Mas, um dia,
até a morte
a gente espera.

Melhor vir de surpresa,
nada de espera.
Só viver
e deixar tudo
acontecer.


│Autora: Maria Dona
______________________


Maria Dona, desde sempre Doninha, nasceu em Pau dos Ferros (RN), em 1945. Foi aluna interna do Patronato Alfredo Fernandes, na época em que os pais ainda residiam na zona rural, e fez parte da primeira turma do Ginásio 4 de Setembro e do Curso Normal de Pau dos Ferros. Depois, estudou Pedagogia na Universidade Estadual do Rio Grande do Norte – UERN – Mossoró, tendo sido presidente da República Universitária. Trabalhou como coordenadora pedagógica em Mossoró, enquanto servidora da Secretaria Estadual de Educação. Em 1998, quando se aposentou, passou a morar em Natal. É esposa de Durval e mãe de Anna Cecília, Sérgio e Mara Regina, além de ser dona de um jardim com roseiras. Seu passatempo predileto é ler e escrever. Participa do grupo de canto Unidos em Cristo e do coral feminino Santa Cecília. Desde muito tempo tem escrito, mas só agora, com o incentivo e o apoio dos filhos, publica o seu primeiro livro.

Comentários