CENA DOMÉSTICA



Na sala de jantar, na tarde mansa,
Está toda a família reunida;
No mister de bordar, em doce lida,
Minha mulher do seu labor descansa.

As linhas do bordado quem destrança
É a nossa menina mais crescida;
As outras duas, uma à outra lança,
Rente ao chão, uma bola colorida.

Numa poltrona o nosso filho lê;
Histórias em quadrinhos, já se vê,
Pelas quais o seu gosto se revela.

Eu escrevo da mesa à cabeceira;
Meu curió “Barão”, posto à janela,
Completa a cena e canta a tarde inteira...



Autor: JOSÉ GERALDO PIRES DE MELLO
___________
JOSÉ GERALDO PIRES DE MELLO – Nasceu em Niterói em 1924 e faleceu em Brasília em 2010. Estreou em livro com seu De Braços Dados (coroa de sonetos), em 1975, seguindo-se outros livros de sonetos: Chama de Amor (1978), O Catavento Amarelo (1978) e A Mensagem do Arco-íris (1981), todos eles publicados em Brasília, onde residiu por mais de quarenta anos.
_____________

ÍNDICE




O homem é a matéria do meu canto,
qualquer que seja a cor do que ele sente.
E não importa o motivo do seu pranto,
é um homem, meu irmão, e estou doente

de sua dor, e é o meu o seu espanto
do mundo e desta hora incongruentes.
Na trincheira do Verbo me levanto
contra o que contra o homem se intente.

O homem é o objeto e o objetivo
de quanto sei cantar, e o canto é tudo
que pode me explicar porque estou vivo.

Às vezes sou ateu, noutras sou crente,
em outras sou rebelde, em algumas mudo:
― sou homem, e canto o homem no presente.


____________
VIRIATO (SANTOS) GASPAR – Nasceu em São Luís (MA), em 07/03/1952. Jornalista desde 1970, reside em Brasília desde agosto de 1978. Funcionário aposentado do Poder Judiciário. Participação em mais de uma dúzia de antologias poéticas no Maranhão e em Brasília. Vencedor de muitos prêmios literários tanto em sua terra natal quanto no Distrito Federal. Bibliografia: Manhã Portátil ― poesia, Gráfica SIOGE, Plano Editorial “Gonçalves Dias”, São Luís-MA, 1984; Onipresença ― poesia (versão incompleta), Gráfica SIOGE, Plano Editorial “Maranhão Sobrinho”, São Luís-MA, 1986; A Lâmina do Grito ― poesia, Gráfica SIOGE, Plano Editorial da Secretaria de Cultura do Estado em convênio com o SIOGE, São Luís-MA, 1988, e Sáfara Safra ― poesia, Plano Editorial da Secretaria de Cultura do Estado em convênio com o SIOGE, São Luís-MA, 1996. Tem, inéditos, dois livros de poemas, um de contos e um Livro de Salmos em linguagem moderna.
_____________

AMOR



Amor é, não possuí-lo: amor, vivê-lo.
Possuí-lo é desvendá-lo. E amor ― verdade,
beleza, poesia,― sarça ardente,
é refratário a toda matemática.

Amor é sol que não se vê mas queima.
Ave, não canta, mas lhe o canto ouvimos,
― mas de um outro entender, que só de ouvidos
da alma é ouvir cantigas represadas.

Sol e ave. Mas, ave, é um sol que brilha.
Queimar-se dele. Por suprema graça,
ver-lhe do espectro as invisíveis cores.

Jamais situá-lo, em tosca astronomia.
Pesquisá-lo é destruí-lo. Amor, portanto:
queimar-se, e só, sem mais filosofia.


,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,
# Constante de Sonetos de bolso: antologia poética (Thesaurus, 2013)

______________
Anderson Braga Horta – Nasceu em Carangola, MG, em 17/11/1934. Radicado em Brasília desde 1960. É poeta, contista, ensaísta e tradutor. Poesia: Altiplano e Outros Poemas, Marvário, Incomunicação, Exercícios de Homem, Cronoscópio, O Cordeiro e a Nuvem e O Pássaro no Aquário, publicados entre 1971 e 2000; Fragmentos da Paixão: Poemas Reunidos, Pulso e Quarteto Arcaico, 2000; Antologia Pessoal, Brasília, 2009; Elegia de Varna (bilíngüe), trad. de Rumen Stayoanov, Sófia, 2009; Signo: Antologia Metapoética, Thesaurus, Brasília, 2010; De Uma Janela em Minas Gerais ― 200 Sonetos, Guararapes, EMG, 2011; De Viva Voz, Thesaurus, Brasília, 2012.
________________

ANOTAÇÃO ANTIGA



quando a noite
com seu eterno e sutil silêncio descer
repousarei sob a consciência

breve

meus olhos irão se desvanecer, breve
em pálpebras inertes...
― a minha mente vagará em outras dimensões

disperso

ficará anotado em meu diário:
― meu dia não foi em vão, amanhã serei outro tempo



..........................
# Poema constante de AS CORES DO TEMPO (Calibán, 2007)

│Majela Colares
____________________

DOIS POEMAS DE DÉRCIO BRAÚNA


PEQUENOS DEUSES


Repara na tarde que te guarda (na vida
que te escapa, cada polegada por
segundo): o que nela não é senão essa
confusa distribuição de seda e péssimo?[18]

Vês aquelas crianças: contra a púrpura
da tarde, sobre suas velhas bicicletas
(como pequenos deuses em aparição),
não dirias que todo futuro será fabuloso?

...................



O CREPÚSCULO POR SOBRE AS COISAS


Mas as nuvens alaranjadas do crepúsculo
douram todas as coisas com o encanto da
nostalgia; até mesmo a guilhotina,[19] até
mesmo essas futuras bestas que, sobre
suas idílicas bicicletas, não imaginam
(poderiam?) a esplêndida atrocidade
que suas pequeninas mãos guardam. ―
Eis o milagre sumário das coisas.


______
NOTAS (Conforme enumeradas no próprio livro, Metal sem Húmus):
18. CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE, Claro enigma – “Contemplação no banco” (Rio de Janeiro: Record, 2006, p. 38).
19. MILAN KUNDERA, A insustentável leveza do ser (São Paulo: Companhia das Letras, 1999, p. 10).


# Poemas constantes de Metal sem Húmus (7Letras)

____________________

VOLTAR AO SOPRO



“Tudo isto para brilhar um instante,
apenas, para ser lançado ao vento,
— por fidelidade à obscura semente,
ao que vem, na rotação da eternidade.”
- Cecília Meireles, em “Primavera”



Nada que não seja isto:
diante dos girassóis,
encher-me de amarelos,
com o horizonte ao fundo,
o azul em que dança
a imagem de um pássaro
                                    que,
                    por longe,
não diviso.

Nada que não seja isto:
abrir o livro da tarde
(em verdade, abrir-me),
para receber a luz
que do pássaro aos girassóis
a tudo repleta e aviva.

Nada que não seja estar
com estas inflorescências.
Longe de toda insalubridade,
poder voltar ao sopro.

│Autor: Webston Moura

OS DIAMANTES DE SERRA LEOA



suas arestas são gumes:
não de cortar epiderme, mão nua;
são gumes que cortam antes
          (no haver entre a mão e a pedra),
cortam no instante estrito
          (à guisa do feitio de um cão
           lançando-se à espoleta)
em que o olho
se desaba sobre a esquálida arquitetura
dos meninos mineiros,
         seus apanhadores
                   (que trazem a infância
         tão perdida ―
                    funda ―
         quanto a conta dos mortos
         ficados sob terra
         gritando às oiças dos vivos).


....................
# Constante de A Selvagem Língua do Coração das Coisas (Realce, 2005)

│Autor: Dércio Braúna
____________________________

O santuário




Entro no teu corpo
branco santuário
de cal e camélia
o porto que abriga
a nau insensata
e sombra de espiga
no chão do verão.
No teu corpo encontro
a âncora da vida
achada e perdida
no Mar Oceano
o cheiro de estrume
guardado no estábulo
o longo sol pálido
que nos ilumina
como um candelabro
que jamais se apaga
no final da festa
de arquejo e desejo
quando só nos resta
a sobra das almas
saliva e sobejo na escuridão.

.................................
# Constante de Cem poemas de amor (Escrituras Editora, 2004).

│Autor: Lêdo Ivo
_______________________

A BARCA DAS SONHAÇÕES



I.

Há de ser mais bonito o mar que nunca vi ―
essa pátria que é a minha!:
nunca pude mesmo
ir-me destas singelezas
(espoletas do ínfimo, diria um fazedor de amanhecer).

Eu, neste tempo presente,
vivo é porque anda esta mão minha
por desassentar a crueza da luz
sobre a sofrência em que vamos
uns irmãos com os outros
e a mudá-la em cor de tingir poesia.

Mesmo pegado do pouco delírio que lhe vou a dar,
meu verbo navega
(pobrezito na barca sua em que vai)
para além da tristência de agora-aqui.


II.

É-me um estranho solo este
dos homens desconstrutores das sonhações ―
desaceito a veemência de suas arcarias;
bebo-me nas coisas por outra ordem.

...................................
# Constante de A Selvagem Língua do Coração das Coisas (Realce, 2005)

│Autor: Dércio Braúna
_____________________________

Anotação em um livro de ensaios



lendo um livro de ensaios
encontro a seguinte anotação:

Iolanda M. Amado
16.07.1984 – 8 horas e 15 minutos
tempo com neblina forte,
mas no rádio estão falando
que vai ser um dia de calor

entre os ensaios do poeta,
como as impressões de uma abelha
sobre os veios de uma pétala,
a caligrafia da moça que ouve rádio

qual seria a razão de tal comentário?
por que tanta precisão?
seria a expectativa de um passeio pela cidade?
seria para apenas matar o tempo?
ou será que a moça, não encontrando confidente ou diário,
apenas grafou, por motivo de mistério,
instantes sem inspiração dentro do livro de ensaios?


..................................
# Constante de Música possível (COSACNAIFY, 2006) - clique (AQUI)

│Autor: Fabiano Calixto
________________________

Sei de uma ilha de ventos



Sei de uma ilha de ventos
onde os pássaros azuis
da solidão fazem festins
no oceano das águas velozes.
Fiquei na orla branca das ondas,
noveladas como búzios deslumbrados.
Estendida entre brumas
preciso desse silêncio,
das asas abertas do afastamento
de luas desveladas.



..................
# Poema constante de Parto com os Ventos (Kreamus, 2013)


Lília Tavares (1961)  é psicóloga clínica, há 24 anos a trabalhar na reabilitação de jovens e adultos. Casada e mãe de dois filhos, frestas de luz que a vida lhe deu. Unida à Poesia desde os treze anos, publicou em 1979 Fusão Crepuscular e outros Poemas em edição de autor. Participou, a convite, numa antologia de poetas do Baixo Alentejo, dois anos mais tarde. Natural de Sines, traz consigo o aroma das marés vivas de Setembro. De extremos, ama o aroma das terras, o sol, as alfazemas em Junho. Criadora e co-autora da Página "Quem lê Sophia de Mello Breyner Andresen", Lília é co-autora da Página "Poesia com Artes" e, neste âmbito, realiza  Encontros de Poesia e Artes em Oeiras. Tem criado eventos, prefaciado,  participado e/ou apresentado diversos livros de poesia de outros autores. Participou com outros onze autores em Rio de Doze Águas(Coisas de Ler, 2012), antologia prefaciada por Joaquim Pessoa. Publicou Parto com os Ventos (Kreamus, 2013), prefaciado por Carlos Eduardo Leal, RJ, e ilustrado com esculturas de arame de Simone Grecco, SP. Ama as pequenas coisas. Prende o olhar numa lágrima, num amigo, numa estrela.

Folha de Papel



Afundo-me numa folha de papel.
O meu corpo submergido
bebe a seiva da árvore.

Renasço à flor da pele.
Os meus olhos giram
o submundo da superfície.

Com o odor atenta-me o vento
do fim das chuvas.
O sol renasce um cravo
que liberta...


..................................
# Poema constante de Rio de Doze Águas (Coisas de Ler Editora, 2012)


___________________________
Cláudio Cordeiro - Nascido em Coimbra, natural de Mortágua, poeta e estudante universitário na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, é autor de três livros, "Lágrimas da Alma" (Corpos Editora, 2010), "Olhos de Terra" (Corpos Editora, 2011) e "Um Tudo Nada Água" (Lua de Marfim,2011).
____________________________

CASA




A antiga casa que os ventos rodearam
Com suas noites de espanto e de prodígio
Onde os anjos vermelhos batalharam

A antiga casa de inverno em cujos vidros
Os ramos nus e negros se cruzaram
Sob o íman dum céu lunar e frio

Permanece presente como um reino
E atravessa meus sonhos como um rio



.........................
# Poema constante de GEOGRAFIA (Caminho, 2004)

Autor: Sophia de Mello Breyner Andresen
____________________________________

URGENTEMENTE





É urgente o amor
É urgente um barco no mar


É urgente destruir certas palavras,
ódio, solidão e crueldade,
alguns lamentos, muitas espadas.


É urgente inventar alegria,
multiplicar os beijos, as searas,
é urgente descobrir rosas e rios
e manhãs claras.


Cai o silêncio nos ombros e a luz
impura, até doer.
É urgente o amor, é urgente
permanecer.





.......................
# Poema constante de AS PALAVRAS INTERDITAS-ATÉ AMANHÃ (Assírio e Alvim, 2012)
* Postado originalmente na página Quem lê Sophia de Mello Breyner Andresen - clique (AQUI)

│Autor: Eugénio de Andrade│
__________________________________

MENINA




luas 
praias de querer
ao longo dos meus braços
afastados pelo coral das rochas
duas
*

uma menina chupando
um rebuçado
descalça
de ter sol nos olhos
*

alguém chora o sentir
do mar
nos flancos das corças
e dos barcos
*
duas
as vezes que conto
pelos dedos
- sol e água
espelhos verticais
no sentir das margens
nevoeiro de noites
nuas




............................
* Poema constante de ESPELHO INICIAL (1960) e POESIA REUNIDA (D. Quixote, 2009)
* Post originalmente publicado na página Quem lê Sophia de Mello Breyner Andresen - clique (AQUI).

Autor:  Maria Teresa Horta
____________________________