ALDEBARÃ VISTA PELA PRIMEIRA VEZ [Webston Moura]






Sabem-me pássaros
no trânsito desta varanda.
Sei-lhes a travessia que,
mesmo em seu todo secreta,
está-me paraíso de signos.
E o denso é a emoção que sinto:
rio suave ante um tanger de cabras
nalgum entardecer de uma aldeia
cujo nome supõe raras gemas
e ócios de um tempo sem relógios.

Pronunciam-me âmbar de entalhe feminino,
tal ao que (voz a mais acima) diria afável:
Paco de Lucía em todo frescor.

Não quero o mundo, este do perde-ganha.
Quero o trigo no estalo mais certo sob o sol.

E direi vezes tantas meus olhos fechados,
que minha boca, um sim a pico, agora sorri.


.......................................
# Escute Paco de Lucía [AQUI]


________________________
Webston Moura tem perfis no Twitter [twitter.com/webstonmoura] e no Google+ [plus.google.com/+WebstonMoura/]
_________________________________

Comentários