ATÉ O JÚBILO DESFAZER-SE EM SUSPIROS




Seus olhos maus me ensombram
e seus lábios são sábados sem fim.

O dia certo?
Nem me lembro.
         (Chove,
           lá fora,
           lusco-fusco,
           final de tarde).

Como uma oscilação,
seu corpo reveste o quarto
ao tempo em que sua respiração
desafoga todos os sentidos-nãos
e os alecrina de alvíssaras.

Um ao outro, limítrofes,
ínsulas não mais, ou nem tanto,
desmontamos o talvez
até o júbilo desfazer-se em suspiros.


│Autor: Webston Moura

Comentários

OS 10 POSTS MAIS VISITADOS DOS ÚLTIMOS 30 DIAS

RUÍNAS

ÚLTIMO GRITO CONTRA A ESCURIDÃO

ÁVIDA FLAMA INCESSANTE

VIAJANDO NA MADRUGADA

CATILINA

SERTÃO

CONSUMAÇÃO

O PIANO