TUDO É VÃO NO FRAGOR DE TODAS AS GUERRAS

Nenhum pássaro é avulso.
Tampouco seu voo ou o azul ao fundo.
Fui menino para guardar a lembrança
de que tudo isso é um milagre
e que, como o pássaro, as flores
não intentam vulgaridades.

No entardecer de minha existência,
agoniado entre meus semelhantes,
estes que se embatem por suas verdades,
já não sei se lhes passa ao coração
alguma réstia do que um dia
lhes possa ter sido o que,
                         sem medo,
ousariam chamar de criança:
aquele olhar sem mácula descobrindo o mundo.

Talvez,
estes que se embatem por suas verdades
nada mais possam que não seja a morte
que lhes acompanha enquanto compram carros
e tomam precauções e sedativos.

Tudo é vão no fragor de todas as guerras.


│Autor: Webston Moura
_______________________

OS 10 POSTS MAIS VISITADOS DOS ÚLTIMOS 30 DIAS

ÚLTIMO GRITO CONTRA A ESCURIDÃO

CONSUMAÇÃO

POEMAS DE PEDRO DU BOIS

VIAJANDO NA MADRUGADA

O PIANO

SOMBRAS E SOBRIEDADE

ÁVIDA FLAMA INCESSANTE

SERTÃO

CATILINA