Folha de Papel



Afundo-me numa folha de papel.
O meu corpo submergido
bebe a seiva da árvore.

Renasço à flor da pele.
Os meus olhos giram
o submundo da superfície.

Com o odor atenta-me o vento
do fim das chuvas.
O sol renasce um cravo
que liberta...


..................................
# Poema constante de Rio de Doze Águas (Coisas de Ler Editora, 2012)


___________________________
Cláudio Cordeiro - Nascido em Coimbra, natural de Mortágua, poeta e estudante universitário na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, é autor de três livros, "Lágrimas da Alma" (Corpos Editora, 2010), "Olhos de Terra" (Corpos Editora, 2011) e "Um Tudo Nada Água" (Lua de Marfim,2011).
____________________________

Comentários