AMOR



Amor é, não possuí-lo: amor, vivê-lo.
Possuí-lo é desvendá-lo. E amor ― verdade,
beleza, poesia,― sarça ardente,
é refratário a toda matemática.

Amor é sol que não se vê mas queima.
Ave, não canta, mas lhe o canto ouvimos,
― mas de um outro entender, que só de ouvidos
da alma é ouvir cantigas represadas.

Sol e ave. Mas, ave, é um sol que brilha.
Queimar-se dele. Por suprema graça,
ver-lhe do espectro as invisíveis cores.

Jamais situá-lo, em tosca astronomia.
Pesquisá-lo é destruí-lo. Amor, portanto:
queimar-se, e só, sem mais filosofia.


,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,
# Constante de Sonetos de bolso: antologia poética (Thesaurus, 2013)

______________
Anderson Braga Horta – Nasceu em Carangola, MG, em 17/11/1934. Radicado em Brasília desde 1960. É poeta, contista, ensaísta e tradutor. Poesia: Altiplano e Outros Poemas, Marvário, Incomunicação, Exercícios de Homem, Cronoscópio, O Cordeiro e a Nuvem e O Pássaro no Aquário, publicados entre 1971 e 2000; Fragmentos da Paixão: Poemas Reunidos, Pulso e Quarteto Arcaico, 2000; Antologia Pessoal, Brasília, 2009; Elegia de Varna (bilíngüe), trad. de Rumen Stayoanov, Sófia, 2009; Signo: Antologia Metapoética, Thesaurus, Brasília, 2010; De Uma Janela em Minas Gerais ― 200 Sonetos, Guararapes, EMG, 2011; De Viva Voz, Thesaurus, Brasília, 2012.
________________

Comentários

OS 10 POSTS MAIS VISITADOS DOS ÚLTIMOS 30 DIAS

RUÍNAS

ÚLTIMO GRITO CONTRA A ESCURIDÃO

ÁVIDA FLAMA INCESSANTE

VIAJANDO NA MADRUGADA

CATILINA

SERTÃO

CONSUMAÇÃO

O PIANO