O CORPO PARADOXAL

A cidade nova
traz um aroma de sol-de-suor,
dos operários
que lhe atravessam incansáveis,
da grama pelos quintais sem verdor.

Tomada de uma outra fauna
(bichos que se movem
na ferida do pó vermelho),
a cidade pulveriza meu pensamento;

detona-se-me!;

constrói-se num corpo paradoxal
sobre a ossatura do pensador ―
pois que já ele anunciara
este grandiloqüente funeral
que adoeceu o domingo
das crianças no parque.




Nova Jaguaribara, outubro/2001




│Autor: Dércio Braúna
..........................................................
# Poema constante de O Pensador do Jardim dos Ossos; Edição do Autor, 2005.


______________
* Dércio Braúna é poeta, contista, historiador; autor de O pensador do jardim dos ossosA selvagem língua do coração das coisasMetal sem húmusComo um cão que sonha a noite sóUma nação entre dois mundos: questões pós-coloniais moçambicanas na obra de Mia Couto e Nyumba-Kaya: Mia Couto e a delicada escrevência da Nação Moçambicana.
___________________________